Coloca-se a erva-mate na cuia, até aproximadamente 2/3 da sua capacidade.

Tapando a boca da cuia com a mão, procura-se, através de leves movimentos para cima e para baixo, separar os talos e palitos da erva-mate propriamente dita.

Inclina-se a cuia a mais ou menos 45º e retira-se a mão, fazendo com que os palitos da erva fiquem na parte inferior (cestinho da cuia), formando uma trama que facilitará a entrada da água na peneira da bomba.

Na mesma posição anterior, despeja-se água fria, tomando o cuidado de não molhar o "topete" da erva. Aguarde dois a três minutos até que a água seja absorvida.

A colocação da bomba é um momento decisivo no preparo de um bom chimarrão. Tapando-se o bocal com o polegar, introduz-se a bomba no lado cheio d'água da cuia, até o fundo do cestinho. Com movimentos de pulso, procura-se a melhor posição, para que a bomba fique firme. Retira-se o polegar e observa-se o nível da água, que deve baixar alguns milímetros. Isto prova que a bomba está desentupida.

Nunca desmonte o talude formado pela erva, na esperança de obter melhor sabor. Na realidade, o prolongamento do sabor da erva-mate dependerá da quantidade de erva que a sua cuia suporta.

O chimarrão  está pronto. O primeiro mate já pode ser ingerido, embora boa parte dos mateadores prefira cuspi-lo fora, até ouvir o "ronco" da bomba. Isto porque o primeiro mate não é o mais saboroso, a bomba retém resíduos de pó da erva e a água ainda não alcançou a temperatura ideal.